Johnny Depp em Animais Fantásticos
Compartilhar no WhatsApp

Você acredita em Nárnia?

Colunas, Notícia

Com certeza você já ouviu falar em Nárnia, aquele lugar mágico, onde tudo é possível. Mas Nárnia é mesmo um lugar ou é apenas uma ideia? O Chapeleiro maluco disse à Alice que o tempo não é uma coisa, mas sim uma pessoa. Seria Nárnia também uma pessoa e não um lugar?

 

Nárnia, como se sabe foi uma criação do escritor irlandês Clive Staples Lewis, na sua série de livros intitulados “As crônicas de Nárnia”. O lugar é um paraíso, muita magia, animais falantes e criaturas mitológicas por todos os lados.

Mas o que Nárnia tem a ver com a dica de filme de hoje? Aliás, de que filme vamos falar mesmo? Não, não é sobre Nárnia. A dica de hoje é o longa que se encontra em cartaz nos cinemas, “Animais Fantásticos: Os crimes de Grindelwald” (2018). O filme conta com Johnny Depp, Jude Law, Eddie Redmayne, entre outras estrelas no elenco.

 

Personagens - Animais Fantásticos Os Crimes de Grindelwald
O figurino é de época igual os lugares visitados, todos ricos em detalhes, e com ar de suspense, magia e mistério.

A narrativa conta a história de um reencontro entre amigos e o recrutamento de Newt Scamander para capturar o bruxo Gellert Grindelwald (Depp), recém-foragido de Macusa, o Congresso Mágico dos Estados Unidos da América. A intenção de Grindelwald é montar um exército de seguidores e dividir o mundo e as suas ideologias, dividir seres mágicos e não-mágicos.

O filme é mais sobre uma ideologia do que sobre um lugar. Ideologias podem transpor barreiras geográficas, podem hastear bandeiras. O filme é sobre a eterna luta entre o bem e o mal, entre o livre-arbítrio e a imposição ideológica. O ser humano enquanto ser racional pode e deve escolher seus posicionamentos ideológicos ou até mesmo suas utopias mais surreais.

 

O pequeno bruxo Scamander que ama os animais mágicos e os compreende bem não quer escolher um lado, nem o bem e nem o mal. Mas é possível viver sem estar em um dos lados? Sem defender nenhuma ideologia? É possível ser imparcial frente às decisões da vida, se decidir já é uma valoração entre o certo e o errado? Scamander irá escolher qual Nárnia? Como afirmou Odin, no dia do Ragnarok, “Asgard não é um lugar, é um povo”, então Nárnia não é um lugar, é uma ideia, é uma crença, uma percepção.

 

E você, acredita em Nárnia?

 

Por Michele Souza

 









Gostou deste conteúdo?


Preencha seu Nome e E-mail abaixo para receber mais novidades do site

     




     

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.