Dois Papas – O Lado Mais Humano de Homens Santos
Compartilhar no WhatsApp

Dois Papas – O Lado Mais Humano de Homens Santos

Colunas, Notícia

Dois Papas – O Lado Mais Humano de Homens Santos

Sem dúvida estamos diante uma obra cinematográfica grandiosa, com um elenco primoroso como Anthony Hopniks, Jonathan Pryce e Juan Minujin, e a direção atenta de Fernando Meireles (O Jardineiro Fiel / Ensaio Sobre a Cegueira / Cidade de Deus) e também pela trilha sonora eclética, sobretudo, pela maneira de contar duas histórias através de diálogos. A trama narrativa, construída no presente de uma conversa a dois, é pontuada com três flashbacks que nos permitem compreender e aprofundar a história do atual Sumo Pontífice. Tudo se acompanha com belos cenários, sobretudo no Vaticano, com destaque para a admirável Capela Sistina que o filme nos faz visitar no silêncio da ausência de turistas.

A humanidade dos “dois Papas” transparece constantemente. E aí reside, talvez, a maior riqueza do filme. Os dois personagens tanto se inquietam com os problemas do mundo e da Igreja dos tempos atuais, como expressam as emoções mais festivas que a banalidade de um jogo de futebol pode suscitar entre nós. Cada um deles tem uma personalidade própria, uma relação particular com Deus, um caminho pessoal, uma vocação única.

O filme “peca” em deixar transparecer um dualismo, um tanto quanto maniqueísta, entre os dois personagens e o que eles supostamente representam. Frequentemente, ficamos com a sensação de estar perante duas visões completamente antagônicas de Igreja. Quase parece que a ortodoxia cristã se opõe à reforma da Igreja, tal é o contraste entre o conservadorismo do imaginário Bento XVI e a Igreja que agora respira com o idealizado progressismo de Francisco. Ao longo do filme, de várias maneiras, mais ou menos explícitas, sugere-se esta dicotomia entre os dois papas. Bento XVI, por exemplo, parece não conhecer tão bem os ABBA ou o Yellow submarine dos Beatles quanto Bergoglio; e este, mais aberto ao mundo do que outro, aspira a uma reforma da Igreja, em vez de defender tradições do passado.

Segredos ao pé do ouvido, liberal e conservador discutem ideias e confissões que acirram o debate

Dois Papas – O Lado Mais Humano de Homens Santos

Para além da grande jornada de fé e abnegação, o filme de Meirelles se sustenta pois é o retrato dos dois papas na sua humanidade e na sua capacidade de reconciliação. E é a partir dessa humanidade que o enredo expõe a complexa realidade da vida de oração, da confissão sacramental, do discernimento vocacional. Por outras palavras, ao mostrar o peso da sua consciência, deparamo- nos com pessoas que se arrependeram dos erros que todos cometemos nesta vida. E, desta forma, em vez de nos apresentarem certos príncipes da Igreja, imaculados em suas vidas, o filme coloca-nos diante de homens de carne e osso.

É belo ver Bento XVI ao piano, executando apaixonadamente uma peça musical, reconhecendo que, nesse âmbito, ele não é infalível. Estamos, portanto, diante de dois personagens que, apesar de tudo, se escutam mutuamente, e se abrem ao perdão.

Creio que este caminho de diálogo e de reconciliação é cada vez mais urgente nas nossas sociedades atuais.

 

 

Por Ricardo França

 

 


Veja Mais:

  • Saiba mais sobre o filme História de um Casamento. Clique aqui!
  • Saiba mais sobre o filme O IRLANDÊS – Forma e Conteúdo Em Um Épico da Sétima Arte. Clique Aqui!
  • Saiba mais sobre o filme FRATURA – Um Suspense Derivado Que Não Empolga. Clique Aqui!
  • Saiba mais sobre o filme Privacidade Hackeada – Netflix – Sorria você está sendo monitorado. Clique Aqui!

 


Faça parte de nossas redes sociais!

 

Instagram: https://www.instagram.com/cinegoiania/
Facebook: https://www.facebook.com/cinegoiania/
Twitter: https://twitter.com/cinegoiania/
Youtube: https://www.youtube.com/ch…tWiykFA

 









Gostou deste conteúdo?


Preencha seu Nome e E-mail abaixo para receber mais novidades do site

 




 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *